Hallatar – No Stars Upon The Bridge

hallatar_coverCom o fim não anunciado do projeto Trees of Eternity, por razões do falecimento da Aleah e tendo seu álbum póstumo lançado no ano passado, o incansável Juha Raivio (Swallow the Sun) dá continuidade em sua saga depressiva com este novo projeto chamado Hallatar.
Neste projeto embacaram com ele nessa viagem pelas profundezas da miséria, o versátil vocalista do Amorphis Tomi Joutsen e o baterista fundador do HIM (isso mesmo) Gas Lipstick.
O que temos aqui musicalmente falando é um álbum de Doom Metal, recheado de atmosfera, peso e tristeza, com passagens pelo Funeral Doom (coisa que Juha já havia experimentado no mais recente álbum do Swallow the Sun).
As letras do álbum são poemas que Aleah havia escrito tempos antes de seu passamento e foram reunidos por seu companheiro Juha e formaram o contexto lírico deste material.
As passagens com vozes femininas foram executadas pela bela Heike Langhans (Draconian) e apenas na última faixa que temos os vocais de Aleah.
Voltemos ao álbum, ele já abre com “Mirrors”, faixa esta que já te joga de cara no chão e vagarosamente vem passando com um rolo compressor por cima de você.
A seguinte é uma passagem chamada de “The Raven’s Song” e que serve de prelúdio para “Melt”. Esta faixa aqui, meu amigo, fica os meus parabéns pelo excelente trabalho do vocalista Tomi. O cara consegue ser sutil, brutal e melancólico em uma faixa apenas. Se este material fosse lançado como um EP e contivesse apenas esta faixa, já seria um belo investimento financeiro.
“My Mistake” vem em seguida e nela em sua maioria contém os vocais de Heike, intercalando com os de Tomi, mas nem de longe parece com as bandas de Gothic Doom que assolaram o mundo no final dos anos 90. É uma faixa densa, arrastada e com um ar bem melancólico.
Em seguida temos “Pieces” e “Severed Eyes”. Enquanto a primeira é um poema musicado, servindo de interlúdio, a Cerveró Eyes, digo “Severed Eyes” é uma faixa acústica e nela mostra mais uma vez a versatilidade de Tomi Joutsen.
Toda a beleza das duas faixas anteriores logo é esquecida após os primeiros acordes desta “The Maze”. Puta que pariu, que música desgraçada. Não há como ficar imune a densidade dela, esta é aquelas músicas que te deixa de mau humor e a medida que ela vai avançando, o estado de melancolia vai aumentando.
“Spiral Gate” é mais um interlúdio e temos a derradeira canção “Dreams Burn Down” e esta é a única faixa que contém os vocais de Aleah e apesar dos vocais pesados do Tomi, as intervenções de Aleah dão uma certa leveza, uma forma de libertação do corpo físico.
Espero que num futuro tenhamos o prazer de ter mais álbuns deles e que Juha mantenha-se inspirado à continuar a escrever belas canções.

Hallatar – No Stars Upon The Bridge (Svart Records)
1. Mirrors
2. Raven’s Song
3. Melt
4. My Mistake (with Heike Langhans)
5. Pieces
6. Severed Eyes
7. The Maze
8. Spiral Gate
9. Dreams Burn Down (with Aleah Starbridge)

depress5

Contact:
Bandcamp
Facebook
Svart

Resenha por: Rodrigo Bueno

Anúncios