FuneralCast#08

 

FuneralCast #08 – Tracklist
1. Alaric – Wreckage
2. A Sun Traverse – Still Shining
3. The Evil – Screams
4. Jupiterian – Behind the Wall of Sleep (Black Sabbath cover)
5. Kausalgia – Thorns
6. Vanha – Old Heart Fails
7. Bill + Phil –  Dirty Eye
8. Spectral Voice – Rotting Auras

Trilha: Powerwolf
Álbum: Blood of the Beast

Ouça, curta e compartilhe
Listen, like & share.

Bloody Hammers – Lovely Sort of Death

bloody-hammers-lovely-sort-of-deathNovo álbum deste duo norteamericano e traz em sua sonoridade um flerte o Dark Rock, coisa que não estava tão evidente no álbum anterior.

Ao todo são 10 faixas em pouco mais de 45 minutos e neste período de audição, nos causa uma sensação que vai da euforia a agonia extrema.

O álbum abre com “Bloodletting on the Kiss”, numa forma lenta porém cativante e sombria, os acordes de guitarra e os vocais cantados de uma forma tranquila por Anders Manga nos passam uma calmaria, uma sensação de êxtase e a sonoridade dos teclados ao fundo nos trazem a mente aqueles filmes de terror dos anos 80.

Indo nesta vibe Darkwave dos anos 80 temos a seguinte “Lights Come Alive”. Apesar da faixa ser um pouco mais animada, conseguimos sentir uma certa melancolia nos vocais de Anders. Mas nada que se compare com o clima soturno e deprimente de “The Reaper Comes”. Faixa que rendeu o primeiro vídeo da banda deste novo álbum. E desde o lançamento, esta foi uma das faixas que mais ouvi, devido a atmosfera negra que a circunda. Não sei citar se é os acordes extremamente baixo dos sintetizadores, se é a guitarra, os vocais hipnotizantes, a bateria tribal ou se é o conjunto  da obra, mas uma coisa posso afirmar, esta é uma das faixas mais sombrias que o Bloody Hammers já escreveu.

“Messalina” vem em seguida e sua levada no baixo logo de cara me trouxe a mente bandas do calibre do The Sisters of Mercy e/ou The Cure, mas é uma faixa que tocaria com certeza nos inferninhos Gothic Rock ao redor do mundo, empolgando quem estiver na pista.

“Infinite Gaze to the Sun” tem seu início pesado para depois flertar novamente com o Gothic e tendo seu resultado muito bom e agradável de ouvir, lembrando vagamente o Evereve do álbum Regret.

Dentro deste apanhado geral ainda encontramos boas faixas como “Ether”, “Shadow Out of Time” e “Catasatrophe”.

Em resumo o que o Bloody Hammers fez neste disco, é quase o mesmo que o Paradise Lost fez com o One Second, mas sem soar tão “eletrônico”. É Doom, é Gothic, é Darkwave, mas continua sendo Bloody Hammers.

Bloody Hammers – Lovely Sort of Death (Napalm Records)
1. Bloodletting on the Kiss
2. Lights Come Alive
3. The Reaper Comes
4. Messalina
5. Infinite Gaze to the Sun
6. Stoke the Fire
7. Ether
8. Shadow Out of Time
9. Astral Traveler
10. Catastrophe

depress5

Contatos:
Facebook
Official Site
Napalm Records

Resenha por: Rodrigo Bueno