The Dead – Deathsteps to Oblivion

coverA Australia sempre nos brindou com excelentes grupos musicais, seja ele no Hard Rock (Rose Tattoo/AC/DC) ou no metal mais extremo (Pestilential Shadows, Erebus Enthroned, Austere e muitos outros). Mas é no Doom Metal que eu gosto de relacioná-los a música, visto que este país situado na longínqua Oceania nos brinda desde a década de 90 com excelentes hinos arrastados. Desde a época do dISENBOWELMENT que aqueles lados chama a minha atenção e de lá temos excelentes bandas como Creeping, Inverloch, Cryptal Darkness (RIP) e por que não incluir nesta leva este The Dead.

Este álbum foi originalmente lançado em 2012 de forma independente pela banda e só agora em 2014 que ele recebeu a versão física e já adianto de antemão que não havia escutado nada a respeito deles e vasculhando o site Metal-Archives lá consta como Death Metal a sua sonoridade. E como o blog Funeral Wedding é voltado ao Doom e vertentes, acabei por não dar muita atenção. Mas a sua capa enigmática sempre me chamou atenção desde a primeira vez que a vi e como um fã de metal eu coloquei o play pra rodar e logo de cara me surpreendi, pois de Death Metal, neste disco, pouco há deste estilo.

Já de cara temos uma batera mais grooveada, numa pegada voltada ao Sludge, andamento mais cadenciado, um peso absurdo nas guitarras e os vocais cavernosos.
“Maze of Fire” abre o disco de forma singular, prendendo a atenção do ouvinte do seu início ao fim. Seguindo nesta vibe arrastada temos “Disturbing the Dead” que posso mencionar como outra faixa doentia.
“The God Beyond” começa a velocidade da luz, talvez o único resquício do Death Metal de outrora. Mas já nos primeiros minutos, temos uma virada de mesa e a faixa se torna bem lenta.
“Terminus” é uma das melhores músicas do disco, pois nela há alguns elementos que a diferem do restante do material e próximo ao seu final, temos um solo de guitarra meio psicodélico dando um charme à ela.
E para encerrar, temos a faixa que da nome ao material: “Deathsteps to Oblivion”. E como toda música que dá nome ao material, deve ter sua atenção redobrada. É com certeza a música mais Downtempo do disco, com seu andamento extremamente lento e nela encontramos uma excelente linha de guitarra, que podemos chamar de solo.

A única coisa estranha na faixa, são as vociferações nos segundos finais que achei um pouco dispensável, mas nada que tire o brilho do disco.

The Dead – Deathsteps to Oblivion (Transcending Obscurity)
1. Maze of Fire
2. Disturbing the Dead
3. The God Beyond
4. Terminus
5. Deathsteps to Oblivion

depress4

Contatos:
Facebook
Bandcamp
Transcending Obscurity

Resenha: Rodrigo Bueno

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s