Stoic Dissention – Autochthon

RWE004Em algum lugar desta imensidão chamada internet, eu havia ouvido/lido falar dessa banda e me lembro também de ter lido o rótulo de Black/Doom Metal o que acabou por não me chamar a atenção, por coisas que não vem ao caso agora.

Recentemente recebi do parceiro Rain Without Rain esse novo opus e fui dar uma conferida no som desses estadunidenses.

Acredito que se esse material contivesse apenas a faixa de abertura “Wolcnum”, este álbum já seria digno de aquisição por boa parte dos doom metallers existentes nesta terra. O termo Black não se enquadra nesta faixa, pois o que encontramos aqui, é um Doom Metal arrastado, beirando ao Funeral Doom, algumas viagens sonoras que poderíamos chamar de projeções astrais.

“Weathered Stones” esta sim, tem uma pegada mais voltada ao Black Metal, porém encontramos algumas passagens mais jazzísticas e inúmeros contratempo, além da bateria ser bastante intrincada. Lá pela metada da música, temos uma mudança de tempo drástica e o som se torna arrastado. A música é guiada pelas teclas de piano, bateria e baixo, logo uma guitarra sem distorção é ouvida e o clima se torna bastante funéreo, ainda mais quando os vocais de Zach vociferam algumas frases.

Dando seguimento ao disco temos “A Fevered Grip”, essa música começa muito arrastada, praticamente morrendo. Encontramos uma intervenção da segunda guitarra, onde faz uma linha mais melódica, o que me lembrou muito os trampos do My Dying Bride. Se toda a depressão que se moldou nas duas faixas anteriores, nesta aqui, ela aflora já nos primeiros minutos. Em pouco tempo, tudo o que tinha cor se torna cinza e vamos seguindo esse enegrecimento até o final de seus 8 minutos.

“The Father of my Trials” vem em seguida e essa faixa segue numa linha mais Doom tradicional, sem ser arrastada. Os vocais hipnóticos de Zach são o ponto alto da faixa, visto que ele vai do grunhido ao lírico em poucos segundos.

Para encerrar temos “The Eldritch and the Atavistic”, mas não se engane com o começo progressivo alá Opeth, pois logo torna-se um esporrento Black Metal, crú e ríspido, lembrando as tosqueiras dos bons tempos do Dark Throne. A medida que o tempo avança, temos o seu retorno ao ambiente deplorável para encerrar de forma mais trágica e fúnebre possível.

Álbum que me surpreendeu bastante e que certamente ficarei mais antenado quando um novo opus deles for liberado.

 

Stoic Dissention – Autochthon (Rain Without End)

1. Wolcnum

2. Weathered Stones

3. A Fevered Grip

4. The Father of My Trials

5. This Feral Temple

6. The Eldritch and the Atavistic

 

depress5

Contatos:

Bandcamp

Facebook

Rain Without End

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s