In Absenthia – Amongst The Lovers

absDebut demo desse quarteto gaúcho e nos apresenta um Gothic/Doom Metal muito competente.

O play abre com a faixa “Pilgrimage”, e sinceramente, se esse material contivesse apenas essa música, já valeria a sua aquisição.

Podemos sentir nitidamente a influência de Saturnus em algumas linhas de vocal e o instrumental me lembrou a australiana The Eternal.

Vale ressaltar, que recentemente foi lançado um video para ela.

Na sequência temos a faixa “Into the Grief”, é a mais curta e também a que tem um approach mais voltado ao Gothic Metal. Na minha humilde opinião, acho que ela merecia ter as ideias melhor trabalhada, pois ela acabou destoando um pouco das outras, dando a impressão que foi composta as pressas para o cd.

Para encerrar temos “An Enlightened Garden” que segue a mesma pegada triste da faixa de abertura. Apesar da banda toda soar bem coesa, não há como não destacar as linhas de teclado de Gélisson Amaral e os timbres de vocais de Bruno Braga, que lembrou de longe nessa faixa o grandioso Dilpho do Silent Cry.

Após passar esse nervosismo inicial em apresentar a banda ao público, a banda deverá repensar e lapidar algumas ideias, para enfim se tornar um dos grandes nomes do Doom nacional, pois potencial para isso eles têm de sobra.

 

In Absenthia – Amongst The Lovers (independente)

1. Pilgrimage

2. Into the Grief

3. An Enlightened Garden

 

depress4

 

 

 

Contatos:

Facebook

Soundcloud

Download

Anúncios

Interview: Bell Witch

Chatted recently with the drummer of this band, which gave us more information on the duo, who treats us with a Doom Metal dragged and gloomy. We also talk about the Doom scene in Seattle, death and the controversial illegal downloads. Let’s check.

 

1. The Bell Witch is a relatively new band. Tell us a little about the conception of the band, the first rehearsals, until the recording of the first demo.

1396680_10200937729951004_1623391122_nAdrian Guerra – We started this project to do only one show. Our good friend asked our old band Lethe to play, but we couldn’t. Our guitar player had left the band. Then we were asked how about just the two of us play. We were up for the challenge as we started rehearsing a week before our first show. Again, this was only suppose to be a “one off” show. We were not going to proceed on the project, but if felt right after our performance that we needed to continue. Or chose to continue for that matter. Dylan, and I had wanted to make heavier, and darker music. As Lethe was an instrumental sludge/stoner rock/psychadelic band. We have both have always been into the “doom” scene here in the United States from our previous bands and love for the genre. 

So, after that first show we started rehearsing tremendously, and started writing our demo, and other songs that made it to our full-length. We were playing shows here locally in the Pacific Northwest (Seattle/Portland), and receiving good feedback. The “Demo 2011” was recorded in July 2011 in 3 days with our comrade Brandon Fitzsimons. Brandon also worked with all our previous bands, and has almost recorded everything I have done in the past amongst other great artists. As soon as we received our “Demo 2011” in the mail, we jumped in the van for our first West Coast Tour in October 2011.

 

2. After the release of the demo and some positive reviews, as was the writing process for the full-lengh “Longing”?

Adrian Guerra – Before we recorded the demo, we had ideas of what we wanted our full-length to be. I mean, we already had “Rows (Of Endless Waves)” written out before we recorded the demo, and was actually  one of our first songs. Just with no lyrics. Our writing process for “Longing” was practicing, and not being afraid of writing the music we write. Dylan will come up with a bass line, we talk about it. I play all sorts of drum beats, but you have to have that “one.” For myself, I like to play very minimal when needed. Never take away from the riff that needs to be heard for the song to flow.

 

 

3. “Longing” was launched just over a year, as has been the feedback from the album.

Adrian Guerra – The feedback for the album has been great.

 

4. How did the idea just take the band as a duo and no guitar, just bass and drums?

1415663_10200937729991005_1088079869_nAdrian Guerra – After we have written songs for the demo. We did try to find other members. A singer, and a guitar player. We did have ideas of what we wanted. Both singers, and guitar players flaked. After we both started singing, we decided to just do it ourselves. More members would probably just be drama. Dylan, and I know exactly what we want out of this band. And we will always be a two piece doom band.

 

5. I know it’s early for that, but has a prediction for an upcoming full-length album soon? And what you can in advance.

Adrian Guerra – We have started writing for our second full-length. It will sound like Bell Witch.

 

 

6. How to make a sound as nihilistic a place that became known as the land of grunge.

Adrian Guerra – I like some grunge, as I grew up here in Washington State. But was it all grunge? I mean we had the Melvins, Burning Witch, and Thorr’s Hammer.

 

7. You could create a very interesting sound mass. Mix Sludge, Drone, Funeral Doom and still sound melodic harmonies due to the Dylan Desmond makes the bass lines. Explain to us how was this fusion.

Adrian Guerra – Dylan Desmond is a fucking wizard. We both have had hard times in life, and we want to portray the saddest emotions that people generally hide.

 

8. Some vocal lines are “Organum”, giving a beautiful funeral for some passages. How did the idea to add it to the sound of the Bell Witch?

Adrian Guerra – More dynamics are the better for the songs we write. The harmony chanting vocals bring more of a funeral vibe, as the screams and growls are more of a death suicide vibe.

 

1393037_10200937730031006_848134661_n9. How did the idea to use the sampler of “The Masque of the Red Death” on track Beneath the Mask?

Adrian Guerra – I am a horror movie fan, and “The Masque of the Red Death” is just one of my favorite films. Plus the movie stars with the amazing “Vincent Price!” I was watching the movie and it just came to my head. Like a light bulb stating and idea. “Beneath the Mask” is the intro to “I Wait” which has a very similar message.

 

10. What is your current playlist?

Adrian Guerra – Here are a few records I have been spinning lately. It is really hard for me to find new artists to jam.

 

Lycus – Tempest

Chelsea Wolf – Pain Is Beauty

Worship – Doom

Hell – III

Profetus – …To Open The Passages In Tusk

Shadow Of The Torturer – Dronestown

Megadeth – Rust In Peace

Ataraxie – L’Etre La Nausee

Procession – To Reap Heavens Apart

 

11. How is the Doom scene in Seattle? And what new band you could recommend.

Adrian Guerra – At the moment, there are hardly any doom bands. Currently it is just Anhedonist, Samothrace, Shadow of the Torturer, and ourselves. Others will probably consider themselves a doom band, but I will state different. And the doom scene is not as large as some people might say. Small scene. We all see each other at the same shows, and this is what makes our scene special.

 

12. For some death is the end of it, for others it is the beginning. What is your relationship with death?

Adrian Guerra – I will embrace death when the time is comes.

13. In closing, I would like to know your opinion about the “illegal downloads”. In your opinion download free help or hinder?

Adrian Guerra – I believe you should be able to download if needed, or to review. I like to spread our music out to the masses. True music lovers, and purchasers will actually find a way to buy the record, and support the band if they truly care.

 

14. Adrian, thanks for the interview and here I leave the space open for your last message.

Adrian Guerra – Thank you Rodrigo for the interview. And thanks to everyone who has taken the time to give Bell Witch a listen. We have set out goals for the next few months, so stay tuned, and stay DOOMED.

Cheers,

Adrian Guerra

 

Entrevista: Bell Witch

Conversamos recentemente com o baterista dessa banda, que nos deu maiores informações sobre esse duo, que nos brinda com um Doom Metal arrastado e sombrio. Falamos também sobre a cena Doom em Seattle, morte e os polêmicos downloads ilegais. Vamos conferir.

 

1. A Bell Witch é um banda relativamente nova. Fale-nos um pouco sobre o conceito da banda, os primeiros ensaios, até a gravação da primeira demo.

1396680_10200937729951004_1623391122_nAdrian Guerra – Nós começamos este projeto pensando em fazer apenas um show. Um amigo próximo pediu pra nossa antiga banda, Lethe, tocar, mas nós não pudemos. Nosso guitarrista tinha saído da banda. Então nos perguntaram se só os outros dois que sobraram podiam tocar. Nós aceitamos o desafio e começamos a ensaiar uma semana antes do nosso primeiro show. Repito, era pra ser apenas um único show. A gente não ia levar o projeto adiante, mas pareceu certo, depois de tocar, que precisávamos continuar. Ou escolhemos continuar, aliás. Dylan e eu queríamos fazer uma música mais pesada e dark, já que o Lethe era uma banda sludge/stoner rock/psicodélica instrumental. Nós dois sempre estivemos inseridos na cena doom aqui nos Estados Unidos com nossas bandas mais antigas e amamos o gênero.

Então, depois daquele primeiro show, nós começamos a ensaiar freneticamente e começamos a escrever nossa demo e outras músicas que acabaram entrando no álbum. Nós fizemos shows locais aqui no Noroeste Pacífico (Seattle/Portland) recebendo um bom feedback. O “Demo 2011” foi gravado em Julho de 2011 em 3 dias com nosso parceiro Brandon Fitzsimons. O Brandon também trabalhou com todas as nossas bandas anteriores e gravou quase tudo que eu fiz no passado com outros grandes artistas. Assim que recebemos nossa “Demo 2011” pelo correio, corremos pra van para nossa primeira Tour na Costa Oeste em 2011. 

 

 

2. Depois do lançamento da demo e de algumas reviews positivas, como foi o processo de composição para o álbum “Longing”?

Adrian Guerra – Antes de gravarmos a demo, nós tínhamos ideias de como queríamos que o álbum fosse. Quer dizer, nós já tínhamos escrito “Rows (Of Endless Waves)” antes de gravarmos a demo e foi uma das nossas primeiras músicas, só que sem letra. Nosso processo de composição pro “Losing” foi praticar e não ter medo de escrever a música que escrevemos. O Dylan vem com uma linha de baixo, a gente conversa sobre ela. Eu toco todos os tipos de batidas na bateria, mas você precisa ter aquela “certa”. Particularmente, eu gosto de ser minimalista quando necessário. Nunca tire nada do riff que precisa ser ouvido para a música fluir.

 

3. O “Longing” foi lançado há apenas um ano. Como foi o feedback?

Adrian Guerra O feedback tem sido ótimo.

 

1415663_10200937729991005_1088079869_n4. Como surgiu a ideia de fazer uma banda apenas como um duo, sem guitarra, apenas com baixo e bateria? 

Adrian Guerra – Depois que a gente escreveu as músicas pra demo, nós tentamos achar outros membros. Um vocalista e um guitarrista. Nós tínhamos algumas ideias sobre o que queríamos. Ambos os vocalistas e o guitarrista furaram. Depois que nós dois começamos a cantar, decidimos fazer nós mesmos. Membros a mais provavelmente trariam apenas mais dificuldades. O Dylan e eu sabemos exatamente o que nós queremos dessa banda. E nós sempre seremos uma banda de doom de dois integrantes.  

 

5. Eu sei que é cedo pra isso, mas existe previsão para um novo álbum em breve? O que você pode adiantar?

Adrian Guerra – Nós já começamos a escrever nosso segundo álbum. Vai soar como Bell Witch. 

 

6. Como fazer um som tão niilista num lugar conhecido como a terra do grunge?

Adrian Guerra – Eu gosto de alguma coisa de grunge, já que cresci aqui em Washington. Mas era tudo grunge mesmo? Quero dizer, a gente tinha Melvins, Burning Witch e Thorr’s Hammer.

 

7. Vocês conseguem criar uma massa sonora bem interessante. Misturar sludge, drone, funeral doom e ainda soar harmonicamente melódico graças às linhas de baixo do Dylan Desmond. Explique-nos como funciona essa fusão.

Adrian Guerra – O Dylan Desmond é um mago da porra. Nós dois passamos por dificuldades na vida e queremos retratar as emoções mais tristes que as pessoas geralmente escondem. 

 

8. Algumas linhas vocais são “Organum”, dando um belo tom funeral a algumas passagens. Como surgiu a ideia de adicioná-las ao som do Bell Witch?

Adrian Guerra – Ter mais dinâmicas é melhor para as músicas que escrevemos. Os cânticos harmônicos trazem uma vibe mais funeral, assim como os gritos e grunhidos têm uma vibe mais suicida.

 

1393037_10200937730031006_848134661_n9. Como a ideia de usar o samper de “The Masque of the Read Death” na faixa “Beneath the Mask” surgiu?

Adrian Guerra – Eu sou um fã de filmes de terror e “The Masque of the Red Death” é um dos meus filmes preferidos. Além disso, o filme conta com o magnífico Vincent Price! Eu estava assistindo o filme e a ideia simplesmente surgiu. Como uma lâmpada de ideia acendendo. “Beneath the Mask” é a introdução para “I Wait”, que tem uma mensagem parecida.

 

10. Qual a sua playlist atual?

Adrian Guerra – Estes são alguns discos que eu tenho ouvido ultimamente. É bem difícil pra mim encontrar novos artistas pra fazer uma jam.

 

Lycus – Tempest

Chelsea Wolf – Pain Is Beauty

Worship – Doom

Hell – III

Profetus – …To Open The Passages In Tusk

Shadow Of The Torturer – Dronestown

Megadeth – Rust In Peace

Ataraxie – L’Etre La Nausee

Procession – To Reap Heavens Apart

 

 

11. Como é a cena doom em Seattle? E que nova banda você recomenda?

Adrian Guerra – No momento, quase não existem bandas de doom. Atualmente, temos apenas Anhedonist, Samothrace, Shadow of the Torturer e a gente. Outros provavelmente vão se considerar bandas de doom, mas eu penso diferente. E a cena doom não é tão grande quanto algumas pessoas podem dizer. É uma cena pequena. Todos nós nos vemos nos mesmos shows e é isso que torna nossa cena especial. 

 

12. Para alguns, a morte é o fim; para outros, é o começo. Qual a sua relação com a morte?

Adrian Guerra – Eu abraçarei a morte quando a hora chegar.

 

13. Para finalizar, gostaria de saber sua opinião sobre os “downloads ilegais”. Na sua opinião, o download grátis ajuda ou atrapalha?

Adrian Guerra – Eu acredito que você deveria poder fazer o download se precisasse ou pra fazer uma review. Eu gosto de espalhar nossa música para as massas. E os verdadeiros fãs de música e os colecionadores vão sempre achar um jeito de comprar o disco e apoiar a banda se eles realmente se importam. 

 

14. Adrian, obrigado pela entrevista. Deixo este espaço aberto para sua última mensagem. 

Adrian Guerra – Obrigado, Rodrigo, pela entrevista. E obrigado a todos que tiraram um tempo para ouvir a Bell Witch. Nós estabelecemos metas para os próximos meses, então fiquem ligados e “stay DOOMED”. 

 

Saudações,

Adrian Guerra

Doom of the Week: Saturndust

Não vou fazer aquele texto todo que o colunista dessa sessão, Allan Daniel faz, mesmo porque não é meu intuito tomar o seu lugar haha, mas segue essa brisa sorumbática e psicodélica vindo da cinzenta São Paulo.
Há pouco tempo no cenário, mas pela qualidade de som parece que faz tempo que estão na ativa.
Para quem ainda não os conhece, o som deles é calcado no Stoner/Doom, com uma pitada de psicodelia numa mesma pegada que os deuses britânicos do Cathedral faz com maestria.
O trio é formado por Phil Dalam (Guitar/Vocals), Marlon Marinho (Drums), Renan Angelo (Bass).
Abaixo podemos dar uma conferida nos 2 sons que essa banda tem e mais abaixo temos o link do facebook e bandcamp, onde poderemos fazer um download free.
Mais uma grande banda que surgiu em terra brasilis e tem muita fumo lenha pra queimar.

Contato:
Facebook
Bandcamp

Everlasting – March Of Time

sp077-13O primeiro debut album do Everlasting foi lançado recentemente, intitulado “March of Time”, foi lançado pela Solitude Productions.

O álbum é aberto pela faixa “Remaining In Ground”, com um começo bem arrastado, a banda te passa um funeral melódico e consistente com ótimos riffs, o vocal de Dmitriy Belyaev começa lento, um limpo arrastado que combinado com os riffs lentos leva você a um ambiente melancólico e solitário, aos 8 minutos a musica passa por uma “acelerada” bem interessante, os guturais ficam presentes e som “explode”, aos poucos ela volta com os riffs arrastado e tudo vem abaixo…

Logo em seguida vem a “The Great Contradiction”, com o começo bem parecido com sua antecessora, ela cumpre o serviço de te levar por uma viagem musical, mais uma vez os vocais estão em ênfase, uma voz falada e agoniada,  aos 6 minutos a musica fica inteira arrastada, uma viagem impressionante pela obra desses russos, fazendo o ouvinte se sentir solitário a cada acorde, aos poucos a narrativa volta trazendo  você ao mundo criado nessa faixa.

A faixa que leva o nome do álbum vem logo em seguida, “March Of Time” chega já com uma atmosfera densa e obscura, nesta faixa tem um pouco de ambiental, com um som de uma chuva, a musica sofre uma leve parada e os teclados iniciam um serviço impressionante nessa atmosfera, a mescla com o ruído chuvoso faz o ouvinte realmente observar o potencial que esses russos tem, uma faixa única e maravilhosa de se ouvir.

Encerrando esse belo álbum temos a faixa com menor duração, “Silence” com seus 9 minutos. Esta faixa retrata bem todo o álbum, um vocal lento, as vezes “falado”, riffs longos e arrastados, uma bateria em perfeita ordem, um trabalho consistente, focado no “funeral” mesmo, espero que lancem mais álbuns neste mesmo nível, um debut primoroso.

 

Everlasting – March Of Time (Solitude Prod)

1. Remaining In Ground

2. Тhe Great Contradiction

3. March Of Time

4. Silence

 

depress5

 

 

Contato:

Solitude-Prod

Bandcamp

 

Resenha feita por Diego Augusto (Depressão Doomster)

Santo Rostro – Santo Rostro

a0800242659_10Há pouco tempo atrás recebi uma solicitação de amizade em minha página do Facebook, fui dar uma verificada para ver se não era perfil fake ou algo semelhante. Aceitei a solicitação, trocamos algumas poucas palavras e em uma de suas postagens vi que tinha um link para uma música, fiquei impressionado com o que escutei e novamente entrei em contato.

Recebido esse material e realmente fiquei abismado com a qualidade sonora dessa banda espanhola.

Segundo o press-release da banda o som seria um encontro entre Black Sabbath com The Melvins. Alguns poderão me crucificar, mas desconheço The Melvins. Para mim a primeira banda que me vem a mente e que poderia ser uma grande influência seria do Down, assim como Cabeza de Caballo devido ao guitarrista ser o mesmo de ambas as bandas.

Mas vamos ao disco, que abre de forma absurda com “Blood Run”. Riffs nervosos, vocais arregaçados, bateria marcante e um baixo pulsante.

Há variações ritmicas, o que deixa como uma boa faixa de abertura.

Na sequência temos “Truck Kiss”, e não há como não se imaginar pegando a estrada no melhor estilo “Velozes e Furiosos”.

“Cannonball” é outra faixa que se destaca, devido sua levada bluesy. Há medida que ela avança, não há como não ficar hipnotizado com a “riffera” que sai dos falantes.

Na sequência temos “Dog’s Disease” e podemos considerá-la como uma das faixas depressivas do álbum. Apesar dela se manter num ritmo cadenciado, os vocais de Antonio Gámez nos passa uma certa melancolia, ainda mais acentuada nos minutos finais.

Dando uma levantada no astral temos “Away in Time”, onde os riffs nervsos de Miguel Ortega são um dos destaques da música.

A próxima música é a instrumental “Santo Rostro”, e confesso que achei um pouco deslocada no álbum, e para fechar temos “The Bleed” e vem numa pegada no melhor estilo sludge/doom, deixando um gosto de quero mais para o disco.

Realmente um disco muito bom de estréia desses espanhóis, e esperamos num futuro breve que nos dê a graça de um novo álbum.

Um destaque especial vai para os materiais gráficos da banda, que são de uma beleza ímpar, pois levam toda uma aura religiosa, mas com uma certa obscuridade.

 

 

Santo Rostro – Santo Rostro (Discos Macarras, Odio Sonoro, Féretro Records, Le Crépuscule du Soir Productions e Nooirax Producciones)

1.Blood Run
2.Truck Kiss
3.Fake Tongue
4.Cannonball
5.Dog’s Disease
6.Away in time
7.Santo Rostro
8.The Bleed

 

depress4

 

Contato:

Facebook

Bandcamp