Funeralium – Deceived Idealism

352038Recebi esse disco nos primeiros meses desse ano e apesar das inúmeras audições, não consegui encontrar palavras suficientes que expressassem o que esse disco nos mostra.

Vamos primeiramente nos voltar para o lineup da banda, que teve uma significativa mudança após o lançamento de seu debut auto-intitulado.

Com a saída de Berserk, Toxine e do batera Ys. Para seus lugares tivemos a entrada de Asmael LeBouc (baixo/vocais) e A.D. K’shon (Bateria), além do retorno de Berserk. Ainda tivemos a entrada do também baixista Charles Ward e nessa lineup temos o também guitarra/vocal Marquis.

Se o material antigo da banda já era pesado e caótico, imagina com essa parede sonora ecoando dos falantes e o quão doentio ficou esse material.

A única coisa que posso dizer que esse disco é longo, depreciativo e niilista. Riffs lentos, bateria paralisante e doentia, aliados aos vocais agonizantes de Marquis.

Ao todo são 6 músicas dividas em 2 discos.

O disco 1, temos a “introdução” com “Blood, Phlegm and Vomit”, que ja vai nos preparando para a destruição de nossa tranquilidade.

“21st Century Ineptia” segue numa mesma linha doentia, nos passando o sentimento de que somos um mero lixo humano, vivendo nessa terra e ao longo dos seus 21 minutos vamos nos afundando dentro de nosso buraco existencial.

“Decived Idealism”, faixa que dá nome ao disco e apesar de seus 25 minutos, encontramos belas passagens de guitarra, uma certa melodia em seus riffs, coisa um pouco difícil encontrado no Funeral Doom desses franceses.

Iniciando o disco 2 temos “Hang These Bastards”, faixa que segue como abertura do material e mantendo a mesma linha doentia tão característica deles.

Seguindo temos “Don’t Hope for Any Better Things Now” e sinceramente, essa música me causa náuseas, tamanha é a negatividade que emanam dos auto-falantes.

Os vocais desesperados de Marquis vão lá no fundo da mente e fica meio que impossível você não visualizar o sofrimento do cidadão.

E para encerrar temos “The Higher we Climb, the Harder we Fall”, que serve como uma última pazada de terra no corpo cansado de tanta mutilação sonora.

A única coisa negativa se for por assim dizer, fica por conta do papel do encarte que tem uma gramatura um pouco grossa e ao ficar tirando e colocando na caixinha do cd, logo ela se deteriorará, mas isso de longe chega a ser algo que tire o brilho dessa obra-prima do Funeral Doom.

Apenas deixo uma frase após a audição completa desse disco: “Rigor mortis from retribution”.

 

Funeralium – Deceived Idealism (Weird Truth Productions)

1. Blood, Phlegm and Vomit

2. 21st Century Ineptia

3. Deceived Idealism

 

1. Hang These Bastards

2. Don’t Hope for Any Better Things Now

3. The Higher We Climb, the Harder We Fall

 

depress5

 

Contatos:

https://www.facebook.com/pages/Funeralium/206917779330589

http://www.funeralium.net/

http://www.weirdtruth.jp/releases/wt038.html

ECLIPSE DOOM FESTIVAL VI – SÁBADO 06 DE JULHO (SÃO PAULO/SP)

1011342_199669936857337_751307592_nECLIPSE DOOM FESTIVAL VI – SÁBADO 06 DE JULHO (SÃO PAULO/SP)

 

Eclipse Doom Festival VI

Lachrimatory – Curitiba / PR
www.facebook.com/LachrimatoryDoomMetal
HellLight – São Paulo / SP
www.facebook.com/helllight
Souls Silence – São Paulo / SP
www.facebook.com/soulssilence
Bullet Course – Curitiba / PR
www.facebook.com/bulletcourse

 

Data: 06 | 07 | 2013
Horário: Á partir das 23:00hs
Local: Hole Club – Rua Augusta, 2203 (São Paulo – SP)

Promoção Dia dos Namorados eh o c@®@lho.

promo2_FW

O blog Funeral Wedding é solidário a sua solidão e irá sortear no dia “21/06”, 2 CD’s.

1 CD da banda ArchiTyrants – Black Water Revelation (BRA)
1 CD da banda The Gardnerz – It All Fades (SWE)

 

E para concorrer, é simples:
Basta curtir a fanpage do Funeral Wedding, compartilhar a imagem em modo público, clicar na aba “Promoções” para validar sua participação e torcer para ser contemplado.

https://www.sorteiefb.com.br/tab/promocao/211037

 

Mais informações vide regulamento da promoção.

Twilight of the Idols – Resenha

No dia 12 de Maio, o Teatro Odisséia recebeu o “Twilight of the Idols”. Evento que contou com a participação das bandas Boreal Doom, Poeticus Severus, As Dramatic Homage e, pela primeira vez no Rio de Janeiro, Mythological Cold Towers.

Evento de Doom no Rio de Janeiro é coisa rara, portanto, tinha que ser algo memorável. E este, não deixou nada devendo. Bandas excelente, boa sonorização e um preço acessível.

936748_566411176737170_1378591012_nA primeira banda subir no palco do Tetro Odisséia, foi a Boreal Doom, banda que traz um doom de peso, com vocais guturais e guitarras marcadas e, uma mistura melódica com vocais limpos. A “intro” com uma abertura clássica deu inicio ao seu repertório. “Where The Sun Never Comes” e “My Sanity” foram os cartões de visita da banda, apresentando todos os seus elementos de uma só vez.  Na sequência “Mist” e “Nebulous Night” (na minha opinião, a que tem a maior pegada tradicional) completaram o set autoral da banda, pois para fechar o repertório, a banda tocou com competência “Murder” (Katatonia Cover) que os ouvidos  e fãs mais atentos reconheceram no primeiro acorde.

 

A segunda banda ao subir ao palco foi a Mythological Cold Towers, banda que desde 1994 vem fazendo o seu caminho no cenário Doom/Death e que a meu ver, é o maior expoente do estilo no Brasil.

943632_391690294277588_1344977005_nEra de se esperar um grande show, mas a banda fez mais do que isso. Ao ouvir a guitarra de introdução da música “Lost Path to Ma-noa”, deu pra perceber que essa apresentação seria única. A “In the Forgotten Melancholic Waves Of The Eternal Sea”, música do primeiro album da banda, trouxe um ar nostálgico aos fãs que acompanham a banda desde a sua formação. “Fallen Race” e “Like An Ode Forged In Immemorial Eras”  fizeram o caminho para o ponto alto do show. Nesse momento, você poderia olhar para os lados e ver todos mergulhados na atmosfera das músicas, seja batendo a cabeça ou com os olhos fechados, não havia uma única pessoa que não estava imersa. “The Shrines Of Ibez”, “Immemorial” e “Akakor”, músicas que eu estava na expectativa de ouvir ao vivo, foram tocadas em sequência e para encerrar a noite a banda escolheu “Contemplating The Brandish Of The Torches”, escolha perfeita para encerrar uma bela apresentação.

 

547177_512460762141098_575822404_nA terceira banda ao subir no palco do Odisséia foi o carioca As Dramatic Homage, com pitadas experimentais e atmosféricas no seu black metal, a banda abriu o show com “The Lover’s Funeral”, “Astral Infernal” e “Omnious Force For Ascension”, lembrando assim o passado dessa banda já com estrada trilhada no undergroun carioca. “Gallery Of Dying Arts”, música que ficou como lado B do primeiro CD do As Dramatic Homage chamado “Crown”, foi executada em seguida. Logo após foram executadas mais quatro músicas, todas elas do já citado debut álbum, sendo elas:  “Redemption”, “Awake To The Twilight”, os ótimos riffs e linhas melódicas de “Monumental” e “From The Battle Of Pain” encerrando o setlist conciso de uma banda que infelizmente faz poucos shows pela cidade, tomara que sejam mais constantes.

 

941879_444694528953432_1924269393_nFechando a noite, o Poeticus Severus entrou no palco levantando o público que restava na casa. A banda também já tem algum tempo trilhado pelo cenário underground e os presentes no Teatro Odisséia a esta altura estavam bem empolgados com o que viam. “O Rei Arco Iris” e “Discórdia é a Lei dos Fracos” abriram o set com vocais bem postados e timbragem eficiente. As ambientações apresentadas eram convincentes e deixavam o espectador no clima certa para o black metal excêntrico destilado pelo grupo. “Natural Maldade”, “Nocturnus Versiculis” e “Gloria Aeternae” vieram em seguida. Após uma pausa com a instrumental “Epílogo”, nós é apresentada “Abismus di Caelum”, “Consagra” e “Armorial”. Para fechar a noite, a banda executa “Morte ao Morto”, “Congressus cum Daemonium” e “Ser guerreiro é a nossa Lei”. Um set longo e com várias boas memórias para muitos dos presentes na noite.

Agradecemos a JZ Alternative Productions por fazer mais um grande espetáculo no RJ, com bandas competentes e casa com boa estrutura. Resta para o público e cena esperar por mais um grande show do estilo em terras do Estado da Guanabara.

 

Resenha por Wesley Lima de Magalhães

Fotos: Fontes Variadas.

 

*P.S. – Se você é autor de alguma das fotos representadas na matéria, esteja a vontade para contatar e tão logo adicionaremos os seus devidos créditos.