Demonic Death Judge – Skygods

352694Nervoso é como podemos resumir o som desses finlandeses.

O que encontramos aqui é um som fincado no Sludge com uma pegada de stoner, grunhidos em forma de vocal no melhor estilo black metal e até um pouco de psicodelia.

Skygods abre esse petardo de forma sublime, com um riff de guitarra que lembra o grandioso Electric Wizard, não sei se pelo timbre, e com um baixo fortemente influenciado pela  escola de Geezer Butler. A bateria quebrada, dando suas alternâncias de tempo, preenchendo lacunas e não deixando em nenhum momento o som monótono. Os vocais, não só nessa música, mas em todo o disco são cantado à todo pulmão, e por vezes o ouvinte se empolgará e grunhirá junto na hora do refrão “…We will never know / What they are for / Skygods will they return…

Salomontaari é a próxima e dentro de seus pouco mais de 7 minutos temos uma “salada” musical, pois aqui encontramos o que é o som do Demonic Death Judge. O que predomina é o sludge sendo jogado na cara, mas não dispensando os momentos de psicodelia, que são encontrados em vários momentos da música e os solos muito bem arquitetados.

Latitude é a única faixa instrumental, e tem uma linha bem viajante, com umas vozes que se perdem ao fundo. Servindo muito bem como um prelúdio para Knee High.

Faixa muito bem estruturada e com uma pegada mais stoner, onde encontramos facilmente influências de mr. Iommi & Cia. Se o ouvinte se empolgar, facilmente sai esmurrando uma porta ou mesmo se jogando contra a parede.

Aqua Hiatus começa de forma tranquila, com uma guitarra levando a canção, sendo acompanhado por um baixo/bateria marcados e de fundo um som de violão. Nessa faixa rola um contraste bem grande, pois toda ela tem uma pegada mais sossegada e em seu contra ponto temos os vocais nervosos de Jaakko Heinonen.

Nemesis é uma faixa totalmente psicodélica, com os vocais ao fundo cantando as poucas palavras que a letra tem, servindo de um ótimo aperitivo para a faixa que encerra esse disco.

Pilgrimage vem para dar o recado em seus 10 minutos cravados, tudo aquilo que ouvimos nesse cd.

– Você ouve o som de um mundo chegando ao fim?, é com essa frase que se inicia essa música. Então muita coisa não podemos se esperar dela, pois ao acompanhar a letra, é certo que estará enxergando através dela a degradação do ser humano.

Para quem quer um álbum, pesado, sujo, com melodias viajantes e letras que exprimam todo sentimento de angústia, eis a banda que procura.

 

Demonic Death Judge – Skygods (Inverse Records)

01. Skygods

02. Salomontaari

03. Latitude

04. Knee High

05. Aqua Hiatus

06. Cyberprick

07. Nemesis

08. Pilgrimage

 

depress5

 

 

 

http://www.demonicdeathjudge.blogspot.it/

https://www.facebook.com/demonicdeathjudge

 

 

Anúncios

AstorVoltaires – BlackTombsForDeadSongs

 

BlackTombsForDeadSongs - Album CoverSegundo trabalho desse talentoso músico chileno. Mostrando um amadurecimento musical comparado ao trabalho anterior, talvez por se sentir mais livre em suas próprias composições do que em seus trabalhos com as bandas pelas quais passou.

Temos alguns momentos intimista, vide a faixa de de abertura Rosas y Fuego, Aroma a Tí, com participação da vocalista Dayana Castillo ou então Thy Endless of Mourning’s Heart.

Encontramos momentos doentios vide Como un Desierto ou a deprê Donde Nada Existía, com as alternâncias de vocal limpo/gutural, nos passando uma ideia de um ser depressivo se lamentando e o seu espírito obsessor o confortando.

Solo un Nueño, pode ser considerado como um destaque, por ser uma música calma, nos fazendo viajar nas linhas de violão e nas harmonizações de teclado, uma bela canção para dizer o mínimo. Nessa faixa temos a participação do músico Diego Osses responsável pelas linhas de violino.

Para encerrar temos An Orphan Heartless de uma forma tranquila e de certa forma deprê/viajante e em seus quase 6 minutos, muitas coisas podem se passar na cabeça do ouvinte enquanto os acordes ecoam nos falantes.

Trabalho mais do que recomendado, não apenas para os apreciadores da vertente doom, mas para apreciadores da boa música em geral.

 

AstorVoltaires – BlackTombsForDeadSongs (Rain Without End Records)

1. Rosas y Fuego

2. Como un Desierto

3. Nexo Estelar

4. Aroma a Tí

5. Tummasilmäinen

6. Quark

7. Thy Endless of Mouring`s Heart

8. Del Tiempo Irracional

9. Solo un Sueño

10. Gold

11. Donde Nada Existía

12. An Orphan Heartless

 

depress5

 

Contatos:

http://www.facebook.com/astorvoltaires

http://www.twitter.com/AstorVoltaires

BEFORE THE RAIN: “Frail” Video Released

BEFORE THE RAIN: “Frail” Video Released

http://www.youtube.com/watch?v=u8y0fDYnuXA&feature=youtu.be

391839_10151238090447987_215339129_n

“Frail”, the new video from Portuguese doom metallers BEFORE THE RAIN, can be seen below. The song is the title track of BEFORE THE RAIN sophomore album, “Frail”, which was released by Avantgarde Music. The clip was directed by Priscilla Fontoura, who worked previously with HIMALAYHA. The video shoot took place in Espinho & Porto in the north region of Portugal and Long Beach in California.

 

Click on the link above to watch the video.
Clique no link acima para assistir o video.

Evadne “One Last Dress For One Last Journey” official video

Evadne “One Last Dress For One Last Journey” official video

740335_10151187855201643_595077635_o

“One Last Dress For One Last Journey” official video taken from the album “The Shortest Way” (Solitude Productions 2012). Under the direction & edition of Angel Polo and the collaboration of Alba Cebolla Cantó.

 

Click on the link above to watch the video.
Clique no link acima para assistir o video.

Tenochtitlan – Sotvorenie Mira

 

bmm052-12Nos dias de hoje nesse mundo globalizado, tornou-se um tanto comum bandas de um país de origem que cantam coisas de uma outra cultura. Talvez a mais conhecida foi o Grave Digger com a indefectível Rebellion, e com o doom metal não está sendo diferente.

Chegando ao quarto material, esses russos cantam em sua língua nativa e tem em suas letras todo o misticismo das civilizações antigas dos Maias, Astecas e dos Incas.

Após uma introdução que parece que nos transportam aos tempos remotos, fazendo um clima perfeito para a faixa de abertura, Nachalo.

Guitarras pesadas, instrumentos de percussão, sons das flautas e vocais guturais são encontrados aqui. Alguns cantos ritualísticos também são encontrados facilmente o que acaba por cativar o ouvinte, principalmente a nós os sulamericanos.
O que deixou um pouco a desejar foi o som da bateria programada que ficou com um som um pouco artificial, faltando o “peso” da bateria acústica, mas não dá para menosprezar o trampo que eles tiveram para compor as linhas dessa bateria.

Outros detaques vão para a bela Sokol I Zmej, que ao fechar os olhos, o ouvinte parece ser transportado e ter formulado em sua cabeça uma cena qualquer daquela civilização.  A atmosférica Pohorony Montesumy, tem seu início tocado de forma que nos lembram aqueles músicos peruanos/bolivianos que ficam em frente as lojas de departamento, só que de uma forma mais climática e “doomzisticamente” falando.

Para que não conhece o som, fica a dica que lhe renderá uma hora de cultura e boa música.

 

Tenochtitlan – Sotvorenie Mira (BadMoodMan/Solitude Prod)

1. Tlaltekutli

2. Nachalo

3. Sokol i Zmej

4. Nual

5. Pohorony Montesumy

6. Cvetok Ish-chel

 

depress4

 

Contatos:

http://www.myspace.com/tenochtitlanofficial

http://solitude-prod.com/blog/lang/eng/2012/07/bmm-052-12-tenochtitlan-sotvorenie-mira-bmm-052-12-tenochtitlan-sotvorenie-mira/