Ego Depths / Dispersive Light – Follow the Skua

Split contendo duas bandas não tão novas, mas também não muito reconhecidas no cenário: Ego Depths e Dispersive Light.
Ego Depths: Projeto de Stigmatheist e responsável por todos os instrumentos e nos traz logo de cara uma faixa instrumental para abrir essa missa fúnebre com pouco menos de 12 minutos e mostrando-nos o que está por vir. Na seqüência Let us Prey for the Worthless Life nos mostra um funeral doom vigoroso nos melhores moldes de Skepticism, ou seja, muito depressivo e lento. Se ao menos tivesse mais um som para nos dar um parâmetro melhor ou mesmo para nos brindar com mais uma bela canção…
Dispersive Light: banda estadunidense de Drone, possui 5 faixas nesse split com a maior dela beirando os 8 minutos. Sura Mrod e Baal seguem a mesma linha com barulhos e uma atmosfera caótica, já Purple Twilights da uma animada por ser “diferente” e ser tocada com baixo e piano. Incest Autumn Winds é a melhor dessa banda, com um baixo ultra distorcido mostrando uma certa melodia em meio ao caos. E para terminar o cd uma viagem de piano chamada Little Owl. Se toda a participação do Dispersive Light seguisse a linha dessas duas últimas músicas com certeza mereceria os 5 depressivos de pontuação.

Ego Depths / Dispersive Light – Follow the Skua (Endless Winter Records)
EGO DEPTHS
1. Henceforth I Suffer
2. Let Us Prey For Their Worthless Life
DISPERSIVE LIGHT
3. Sura Mrod
4. Baal
5. Purple Twilights
6. Incest Autumn Winds
7. Little Owl


Contatos:
http://endless-winter.ru/
http://www.myspace.com/egodepths
http://www.myspace.com/dispersivelight

Segue dois banners para vocês decorarem o blog/site/orkut/facebook, onde mais desejar.

valeu o apoio

P.S. – podem clicar pra abrir em outra janela e salvar em tamanho maior ok.

Cadavra – Encadenado al Tiempo (single)

Não sou chegado nessas bandas de electro gothic, e confesso que na primeira audição não me agradou, mas com algumas novas audições se tornou impossível ficar imparcial a esse single do Cadavra. O vocal em algumas partes me lembrou o timbre limpo do Fernando Ribeiro do Moonspell e as guitarras na fase One Second do Paradise Lost. Como trata-se de um single e tem somente esta música fica difícil fazer uma avaliação total do que seria o Cadavra, mas se todo o disco vier nessa linha vai ser bem interessante ouvir e ficar “agitando” na frente do computador ou até mesmo dirigindo, mas cuidado com os transeuntes na via, fica a dica. E para você que quer dar uma variada no seu playlist segue abaixo o link para o download desse som e não sinta-se envergonhado em dar um “curtir” lá na página.

Cadavra – Encadenado al Tiempo (FunerART)
01.  Encadenado al Tiempo

Contato:
http://www.jamendo.com/en/album/86867
http://www.funerart.org

In the Shadows – De Profundis (promo)

Já nos primeiros segundos desse promo é nítida a impressão de estar ouvindo a demo Ade’s Winds do Rotting Christ devido a semelhança de timbre, a faixa segue com esse mesmo clima da já citada banda helênica. É absurda a evolução da banda desde o lançamento anterior (vide resenhas abaixo) para esse som, está mais coeso e as linhas de teclado estão bem presentes preenchendo lacunas e não deixam massante o som. Outro ponto positivo desse play são as guitarras e solos bem construídos. As duas coisas a se lamentar por assim dizer, seria a produção pois da um ar “demo-tape” no material e a segunda coisa é que essa música é tão boa que nesse promo só tem ela e dá vontade de ouvir mais. E que venha logo o tão aguardado De Profundis para o deleite dos doomsters.

In the Shadows – De Profundis (independente)
01. De Profundis

Contatos:
http://itshadowsdoom.blogspot.com/
http://www.facebook.com/intheshadowsband
http://www.myspace.com/itshadows 

Satarial – Tanz Mit…Tod

Houve um tempo, mais precisamente no final nos anos 90 onde bandas que seriam promessas para a próxima década e também algumas já consagradas começaram a flertar com um estilo mais andrógeno/electro e o Satarial foi um desses casos. Não sei se após o sucesso do Rammstein, naquela mistura de guitarras pesadas e batidas electro, um monte de bandas foram na cola, bandas que nem são alemãs, cantando em língua germânica. Esse play do Satarial é um exemplo disso, daquela banda da metade dos anos 90, onde faziam um folk/black/gothic onde as performances de garotas semi nuas em simulação se sexo estava chamando a atenção para banda, para o que fazem hoje: industrial/gothic com a mesma performance de garotas semi nuas fazendo cenas de simulação de sexo. Musicalmente falando não chega a ser ruim, mas pra que um novo Rammstein se o original ainda é legal? Apesar de tudo as faixas Schenke Geliebte Der Tod  e Du Stirbst ainda são legais, sem ser aquela mais dançante do disco se concentrando na parte mais “metal” da coisa. Recomendado para os radicais de plantão que morrem de vontade, mas tem vergonha de ir numa danceteria caçar gatinhas e balançar o esqueleto, e prefere ficar em casa e dançar com as luzes apagadas para que os vizinhos não vejam.

Satarial – Tanz Mit…Tod (Sleaszy Rider Records)
01. Hure-Tod
02. Nachkommenschaften Der Rosses
03. Der Wolf
04. Aufleckenen Das Blut
05. Brennen Das Leben
06. Schenke Geliebte Der Tod
07. Engel Der Tod
08. Du Stirbst
09. Ruf Der Wolfen Blut

Contatos:
http://www.eng.satarial.ru/
http://www.sleaszyrider.com/html/store.htm

Hamferð – Vilst er síðsta fet

Após uns sinos tocando, nos preparando para essa missa fúnebre e tão breve sentimos o poderio dessa banda oriunda das Ilhas Faroe e tendo suas letras cantadas em sua língua natal, o que transparece um ar melancólico e desesperador (talvez por não entender uma palavra sequer). O que temos aqui, belas melodias, guitarras ultra pesadas, intervenções de teclados muito bem arranjadas e os vocais Jón Hansen que merecem um destaque, pois o cara vai do limpo ao gutural de uma forma surpreendente. Você consegue sentir a melancolia e a ira através das frases cantadas. A sonoridade não é a mais inovadora, mas funciona muito bem. Para situar o leitor, o som fica entre um Swallow the Sun e KYPCK, ou trocando em miúdos, um melodic death doom. Não há como destacar essa ou aquela faixa, mas não há como ficar ímpar para as belas Aldan Revsar Eitt Vargahjarta e também para At Enda. Para quem curte essa linha de som, entre já em contato com a banda para adquirir esse material pois com certeza vai lhe render muitos minutos de prazer.

Hamferð – Vilst er síðsta fet (independente)
1. Harra Guð, Títt Dýra Navn og Aera
2. Vráin
3. Aldan Revsar Eitt Vargahjarta
4. At Enda

Contatos:
http://www.facebook.com/Hamferd
http://www.myspace.com/hamferd

Morito Ergo Sum – I die Therefore I am

Há pouco tempo recebi o link desse material para download e realmente me espantei com o trabalho, primeiro por saber que o guitarrista é um brasileiro residente na Suécia e que o vocalista é um italiano, e segundo pela qualidade dessa demo apresentada. Ela começa com uma pequena intro nos preparando para a soturna Gone, seus riffs nos transportam por uma densa atmosfera e os vocais do cidadão Walter Basile numa linha melancólica quase falada seguindo os passos de Aaron Stainthorpe (My Dying Bride), e uma coisa a se destacar é o refrão, coisa rara no estilo, e logo você se pega cantarolando. A seguinte e última faixa I die Therefore I am segue numa linha de doom tradicional, lembrando de leve o Solitude Aeturnus e com alguns riffs intrincados (lê-se quebrados) muito bons, e a surpresa vem logo a seguir naquele clima “tristão” em linhas de violino muito bem executadas por Nisse Carlsson (convidado) e guitarra sem distorção. Está interessado, acesse o link abaixo para baixar o material e de um “curtir” na página do Facebook da galera.

Morito Ergo Sum – I die Therefore I am (independente)
1. The End
2. Gone
3. I die Therefore I am